CARGOS E SALÁRIOS DOS ENGENHEIROS DE PESCA: ESTUDO DE CASO A PARTIR DE EDITAIS DE CONCURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO PARÁ

Jeanderson da Silva Viana, Leonilton Rodrigues Barbosa da Silva, Mayara da Costa Pereira, Geovana Monteiro Abreu, Marcos Antônio Souza dos Santos, Marcos Ferreira Brabo

Resumo


O estado do Pará formou até o último ano, 487 engenheiros de pesca. Uma parte desses profissionais estão inseridos em diversas atividades do ramo aquícola e pesqueiro, dentre estes, o setor público merece destaque. Os órgãos públicos não realizam o pagamento conforme o piso salarial proposto por lei. No âmbito municipal, a baixa remuneração desmotiva o engenheiro de pesca em exercer suas tarefas. No âmbito estadual, a falta de plano de carreira é motivo de insatisfação deste servidor público. No âmbito federal, as IES são a maioria e oferecem os maiores salários, porém o ingresso é restrito para quem possui pós-graduação. Em todas as esferas de Governo, há reinvindicações para aumento de salário e fortalecimento da associação de classe. As disparidades entre as remunerações nas esferas públicas paraenses estão muito além do reconhecimento profissional dos engenheiros de pesca, mas sim da ausência ou ineficiência de um planejamento estratégico para aproveitar da melhor maneira a produtividade destes profissionais e assim gerar maior arrecadação para autarquia.

Palavras-chave


Recursos Humanos; Órgão público; Engenharia de pesca.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3738/21751463.3634