Violência domestica contra a mulher: danos psicológicos causados nas vítimas desta agressão.

Renan Ribeiro Barbosa

Resumo


Este artigo pretende estudar os principais danos causados pela violência domestica contra a mulher e analisar os fatores que o predispõem. A pesquisa viabilizou estruturar um quadro teórico necessário á analise dos dados adquiridos. Por meio do gênero, se diferencia e especifica a violência física e psicológica, abordando também os motivos que contribuíram para a permanência da vitima em uma relação de violência domestica. Para uma boa analise, segundo especialistas metodológicos, é necessário um estudo qualitativo, com a utilização de entrevistas, para se entregar na coleta de dados. A partir das informações trazidas, pode-se concluir que é possível viver em uma relação com a sociedade após a recuperação de fatos traumáticos. Assim como também trazer uma resolução a esse problema, a fim de obter uma diminuição quantitativa de traumas causados com o objetivo de melhorar a saúde mental, além da vida, da mulher vitimizada, com a utilização da psicologia.

Palavras-chave


Violência Domestica. Mulher. Danos Psicológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ADEODATO, Vanessa Gurgel et al. Qualidade de vida e depressão em mulheres vítimas de seus parceiros. Revista de Saúde Pública, v. 39, n. 1, fev. 2005 (online). Disponível em:

AZEVEDO, Maria Amélia. Violência física contra a mulher: dimensão possível da condição feminina, braço forte do machismo, face oculta da família patriarcal ou efeito perverso da educação diferenciada? In:__. Mulheres espancadas: a violência denunciada. São Paulo: Cortez, 1985. p. 45-75.

BADINTER, Elisabeth. XY – sobre a identidade masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993. Apud PASSOS, Elizete Silva. Palcos e plateias: as representações de gênero na Faculdade de Filosofia. Salvador: UFBA, 1999.

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes. Psicologias: Uma introdução ao estudo da Psicologia. São Paulo: Saraíva, 1988.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço. Brasília, 2001.

CARDOSO, N.M.B. Mulher e maus tratos. In: STREY, Marlene Neves (Org.). Mulher e estudos de gênero. São Leopoldo: Unisinos, 1997. Apud MENEZES, Ana Luiza Teixeira de. Mulheres: fruto de dominação e fruta para libertação! In: STREY Marlene Neves el al (Org.). Construções e perspectivas em gênero. São Leopoldo: Unisinos, 2000. p. 125 – 134.

DIAS, Maria Berenice. A impunidade dos delitos domésticos. Palestra proferida no IX Congresso Nacional da Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídia. Alagoas. Disponível em: www.mariaberenice.com.br.. Acesso em: 10 maio. 2006.

GOMES, Orlando. Direito de família. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

GREGORI, Maria Filomena. Cenas e queixas – um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

KASHANI, Javad H.; ALLAN, Wesley D. The impact of family violence on children and adolecents. Thousand Oaks, Ca: Sage, 1998.

MENEZES, Ana Luiza Teixeira. Mulheres: fruto de dominação e fruta para libertação! In: Marlene Neves Strey et al. (Org.). Construções e perspectivas em gênero. São Leopoldo: Unisinos, 2000. p. 125 – 134.

MILLER, Mary Susan. Feridas invisíveis: abuso não- físico contra mulheres. Tradução Denise Maria Bolanho. São Paulo: Summus, 1999.

OMENA, Nivaldo W. de. Da barbárie ao humanismo. Salvador: Contemporânea, 1989.

PASSOS, Elizete Silva. Palcos e plateias: as representações de gênero na Faculdade de Filosofia. Salvador: UFBA; Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher, 1999.

SAFFIOTI, Heleieth. Papéis sociais atribuídos ás diferentes categorias de sexo. In: Heleieth Saffioti. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987. p. 8-20.

SILVA, Marlise Vinagre. Violência contra a mulher: quem mete a colher? São Paulo: Cortez, 1992. p. 52- 104.

WALKER, Leonore E.A. The battered woman. New York: Harper and How. 1979. Apud

AGUIAR, Cristina el al. Guia de serviços de atenção a pessoas em situação de violência. Salvador: Fórum Comunitário de Combate á Violência/ Grupo de Trabalho Rede de Atenção, 2002.

FONSECA, Paula Martinez da. Violência doméstica contra a mulher e suas consequências psicológicas, 2006.

MACHADO, L, z. (1998). Matar e morrer no feminino e no masculino. In D. Oliveira, E.C. Geraldes & R. B. Lima, Primavera já partiu: retratos de homicídios femininos no Brasil (pp. 96 – 121). O Petrópolis, Rj: Vozes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.