COLONIZAÇÃO RIZOSFÉRICA E PROMOÇÃO DO CRESCIMENTO POR RIZÓBIOS EM MUDAS DE ALFACE

Dora Inés Kozusny-Andreani, Roberto Andreani Junior

Resumo


RESUMO
O objetivo deste trabalho foi relacionar a colonização radicular e/ou da região do colo, avaliada in vitro, por estirpes de rizóbios com a capacidade de promoção do crescimento de plântulas de alface. A avaliação da colonização foi realizada visualmente, considerando que a presença de uma névoa turva e esbranquiçada ao longo e em torno da raiz ou do colo da planta, indicava colonização pela bactéria. No experimento em casa de vegetação, foram utilizadas as variedades de alface Americana Delicia, Simpson e Baba de Verão e as estirpes SEMIA 6156 - Bradyrhizobium sp, SEMIA 5080 - B. japonicum, UCCB001 - Rhizobium sp e SEMIA 4077 e SEMIA 4080 - R.tropici. Os rizóbios foram aplicados pela bacterização simultânea do substrato e das sementes. Os parâmetros avaliados foram: a altura das plântulas aos 7, 14 e 21 dias após germinação, a fitomassa fresca da parte aérea (FFPA) e a fitomassa fresca das raízes (FFR) aos 21 dias após a germinação. As estirpes SEMIA 6156, SEMIA 4077 e SEMIA 4080 colonizaram as raízes das variedades de alface e a estirpe SEMIA 5080 não apresentou colonização. As estirpes UCCB 001, SEMIA 6156, SEMIA 4077 e SEMIA 4080 promoveram o crescimento das plântulas de alface, tendo aumentado a altura das mesmas, a fitomassa fresca da parte aérea e da raiz. A estirpe SEMIA 4080 não promoveu o crescimento das plântulas da variedade Baba de Verão.

Palavras-chave


Palavras-chave: Lactuca sativa. Rhizobium. Bradyrhizobium. Rizobactérias. Promotoras do crescimento de plantas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.1108