Desempenho agronômico do rabanete sob diferentes coberturas vegetais do solo

Josef Gastl Filho, Millena Almeida Resende, Ismael Ferreira, Wesley Candido de Lacerda, Marcelo Belisário da Silva, Vanessa Aparecida Silva, Marcelo da Silva Barbosa

Resumo


O aproveitamento na agricultura de resíduos orgânicos oriundos das mais variadas áreas da cadeia produtiva de alimentos é de extrema importância, tendo em vista o seu potencial poluidor e como fonte de nutrientes para o solo. Neste sentido, o presente estudo teve por objetivo avaliar a influência de resíduos orgânicos como cobertura morta vegetal sobre o desempenho agronômico da cultura do rabanete (Raphanus sativus L.). O experimento foi conduzido em delineamento em blocos casualizado (DBC), com 4 tratamentos (bagaço de cana-de-açúcar; casca de arroz; grama cuiabana e sobras de silagem de milho), e 5 repetições. A avaliação foi realizada 30 dias após a semeadura, quanto aos caracteres de biomassa fresca total, biomassa fresca das folhas, biomassa fresca da raiz tuberosa, produtividade comercial e relação de folhas e raízes. Foram verificadas diferenças significativas (p<0,05) entre as coberturas vegetais utilizadas em todos os caracteres estudados, com exceção da relação de folhas e raízes. Em relação à biomassa fresca da raiz tuberosa e produtividade comercial, a casca de arroz se destacou como cobertura morta vegetal, tendo apresentado os melhores resultados. O bagaço de cana-de-açúcar foi a cobertura morta vegetal que conferiu pior desempenho para os caracteres de biomassa fresca total e a biomassa fresca das folhas. Sendo assim, é possível concluir que a casca de arroz como cobertura morta vegetal proporcionou maior desempenho agronômico à cultura do rabanete, em especial aos caracteres de biomassa fresca total e de produtividade comercial que são comercialmente os mais relevantes.

Palavras-chave


Bagaço de cana-de-açúcar; Casca de arroz; Mulching; Resíduos orgânicos; Silagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.3789