COMPOSTOS ALELOPÁTICOS EM BRACHIARIA spp. E SUA INTERAÇÃO COM BACTÉRIAS DIAZOTRÓFICAS ASSOCIATIVAS

Carla Neves Toledo, Nhayandra Christina Dias e Silva, Ligiane Aparecida Florentino, Adauton Vilela de Rezende

Resumo


O Brasil possui cerca de 172,3 milhões de hectares de pastagens, sendo que cerca de 85% são constituídas por forrageiras do gênero Brachiaria, devido à sua alta adaptabilidade às diferentes condições edafoclimáticas. Dessa forma, essas plantas desempenham papel fundamental nos sistemas extensivos e semi-extensivos de produção animal. No entanto, cerca de 70% destas áreas encontram-se degradadas, devido, principalmente, à falta de adubação de manutenção. Uma das alternativas para substituir o uso de fertilizantes nitrogenados consiste no uso de bactérias diazotróficas, as quais realizam a fixação biológica de N2 (FBN), podendo fornecer parcialmente o nitrogênio exigido pela cultura. Entretanto, os estudos de FBN em Brachiaria spp. não tem apresentado grande contribuição, tornando-se necessário a realização de novas pesquisas visando selecionar estirpes inoculantes para as espécies deste gênero. Além disso, sabe-se que estas plantas produzem compostos alelopáticos, os quais podem influenciar negativamente, a sobrevivência das bactérias diazotróficas na rizosfera. Baseando-se nisso, os objetivos desta revisão foram: abordar a importância de Brachiaria spp na produção animal, apresentar os compostos alelopáticos liberados pelas plantas desse gênero e a influência destes na associação de bactérias diazotróficas associativas com estas plantas.

Palavras-chave


Alelopatia. Fixação Biológica de Nitrogênio. Produção animal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3738/21751463.3519