• banner-site-vestibular-2019-1a
  • banner-bradesco

Fique Sabendo

  • 1
  • 2
  • 3
Prev Next

Célio Marangoni virá a Ituverava para Feira de Educação do Colégio Nossa Senhora do Carmo-COC, em junho

O Colégio Nossa Senhora do Carmo-COC promoverá, no dia 16 de junho, a Feira de Educação, com o objetivo de orientar jovens sobre sua vocação profissional. Uma das principais atrações será a palestra do psicólogo Célio Marangoni, renomado orientador que trabalha com aconselhamento profissional e empresarial.

Formado há 28 anos pela Unesp-Assis, ele foi coordenador do Programa de Aprendizagem Industrial da Cimento Itaú, acompanhando jovens aprendizes. Também na mesma empresa, foi responsável pela área de treinamento e desenvolvimento de pessoal. Exerceu ainda coordenação de Recursos Humanos da Prefeitura de Franca. Desde 2000, é diretor da CM Consultoria, onde realiza palestra, treinamentos, desenvolvimento de talentos e consultoria empresarial.

Nesta semana, a Tribuna de Ituverava traz entrevista especial com o psicólogo. No texto, ele responde a perguntas clássicas, feitas pela maioria dos jovens, como "qual carreira devo seguir" ou "o que influencia na escolha profissional do jovem".

Veja, abaixo, os principais tópicos da entrevista:

Influências
"Acredito que com a evolução da tecnologia e a facilidade com que as informações circulam nos meios de comunicação, algumas profissões acabam tendo um destaque maior e de certa forma influenciam o jovem levando-o a uma decisão na escolha em função do status, da possibilidade de ganho financeiro e da perspectiva de emprego".

"Outros fatores que pesam na decisão da escolha profissional são a influência dos pais, familiares ou outras pessoas; a aptidão e o interesse pela profissão também pesam".

Importância da orientação vocacional
"Uma das decisões mais difíceis para qualquer jovem é aquela antiga frase: O que vou ser quando crescer?. Este é um momento complicado, pois a ansiedade, a insegurança e a indefinição sobre o futuro e o que escolher geram série de questionamentos sem resposta".

"O trabalho da orientação profissional ou vocacional visa, justamente, proporcionar aos jovens informações mais detalhadas sobre as profissões e também colocá-lo em contato com seus interesses e possíveis aptidões. É uma forma de ordenar as idéias junto com um profissional especializado, tornando mais clara as informações para sua decisão".

Aptidões e habilidades
"Todos nós temos um perfil psicológico que nos habilita ou facilita o nosso desempenho em determinada atividade ou função. Por exemplo, se eu não tenho nenhuma facilidade ou habilidade com números ou cálculos, dificilmente eu farei engenharia. E se fizer, poderei perceber durante o curso que essa provavelmente não foi a melhor escolha".

"Os resultados da orientação profissional ou vocacional são o esclarecimento e o entendimento de situações que ainda não estão claras para os jovens".

"No exemplo acima, a orientação deixará mais claro para a pessoa a sua dificuldade ou falta de habilidade e aptidão para a área de exatas. E isso vale em todas as outras áreas"

Fatores determinantes
"Hoje, a possibilidade de ganho financeiro e profissão do futuro levam muitos jovens a tomar sua decisão na escolha profissional em função desses dois aspectos, acreditando que isso já lhes garante o sucesso na sua profissão".

"Outro fator determinante é a família, amigos e o próprio interesse pela profissão. Outro aspecto é a aptidão e em muitos casos quase que uma vocação que, muitas vezes, já vem com a pessoa desde o seu nascimento"

O papel da família
"A família tem papel fundamental na escolha profissional dos filhos e essa escolha pode ser positiva ou negativa. Positiva, se for orientativa e esclarecedora, auxiliando de forma neutra e sem nenhuma interferência, imposição ou julgamento. Alguns pais devem estar pensando no momento que estão lendo isso à seguinte frase. Mais eu quero o melhor para o meu filho e por isso interfiro ou opino sobre a decisão dele".
"Tenho certeza disso, mais como pais temos que tomar cuidados, pois muitas vezes aquilo que nós queremos que nossos filhos sejam profissionalmente muitas vezes não é a escolha deles. E será que essa escolha os deixarão felizes?".

"Como disse anteriormente, o papel dos pais tem que ser de orientar e contribuir para o esclarecimento das dúvidas. Negativo se for determinante na escolha dos filhos, fazendo prevalecer o seu desejo e não o interesse ou habilidade dos jovens".

A indecisão
"Uma das formas de diminuir a indecisão é buscando informações que esclarecerão sobre o melhor caminho a seguir. Essas informações podem ser conseguidas na própria escola, na internet e nos sites de busca sobre as profissões".

"E nessa busca, a orientação profissional pode contribuir nessa diminuição da indecisão. Outro ponto importante é conversar com vários profissionais da área interessada e ouvir sua opinião".

Boa escolha
"Eu acredito que fazer uma boa escolha profissional é muito relativo. Existem muitos profissionais que, apesar de terem sucesso na profissão, não se sentem felizes nela. A boa escolha, em minha opinião, é estar satisfeito e gostar do que faz".

"Temos que lembrar que não existe profissão ideal ou que não tenha espinhos. Independente da escolha, fatores como a dedicação, a busca de novos conhecimentos e continuar os estudos sempre se mantendo atualizados fazem a diferença profissional. Agora, gostar do que se faz é a base para o profissional se sentir feliz e ter sucesso na sua profissão".

Artigo

A Importância da Orientação Vocacional na Escolha Profissional
Todos nós passamos por situações durante a nossa vida que nos levam a tomar decisões. Algumas decisões são mais difíceis do que outras, podendo influenciar para toda a nossa vida e contribuir para o que seremos e construiremos, ou seja, as decisões que irão compor a nossa história.

No mundo altamente competitivo em que vivemos e com uma diversidade de profissões que surge a cada momento, torna-se mais difícil para um jovem, que está a um passo de prestar um vestibular, fazer alguma opção consciente por uma carreira, pois esta decisão poderá e, com certeza na maioria das vezes, terá uma influência significativa para o resto da sua vida. Se a escolha profissional tiver êxito e a pessoa encontrar a felicidade e ser bem sucedido, com certeza nem se lembrará de que fez uma bela escolha.

Se por outro lado, abandonar o curso em andamento, como está comprovado estatisticamente com o grande ou nunca exercer a profissão, poderá trazer consigo a frustração de ter feito a escolha errada.

O peso acaba sendo muito grande nessa fase da escolha para decidir sobre o que fazer e o que quero ser no futuro, porque quando o jovem escolhe uma profissão, ele imediatamente faz uma previsão antes de começar o curso e de como será depois. Essa expectativa é reforçada pela sociedade e pela família. São inúmeras as exigências sofridas por quem vivencia essa fase da escolha de que curso fazer.

Dentro desse contexto, podemos citar: influência da família, mercado de trabalho, condições sócio-econômicas, mudanças que ocorrem naturalmente na própria adolescência e dúvidas quanto ao futuro. O que passará pela cabeça de uma pessoa neste momento?
Dúvidas, incertezas, desconfianças e, principalmente, expectativas criadas através da possibilidade de ganho financeiro.

É importante estar atento às novidades, às profissões que parecem ser promissoras, procurar constante atualização, do contrário, nossa "sobrevivência", enquanto profissionais, ficará cada vez mais ameaçada. E é nesse momento de dúvida que a orientação vinda de outra pessoa se torna muito importante. Como em todos os aspectos da vida, a orientação em momentos de indecisão pode influenciar e auxiliar na tomada da decisão de uma pessoa.
Às vezes, os pais dizem: “Mas eu oriento os meus filhos sobre a melhor escolha profissional, pois quero o melhor para eles. Quero que eles tenham o que não tive ou sejam o que não pude ser”.

Concordo plenamente com essa afirmação e sei que ela é extremamente sincera, mas é pautada na emoção, no sentimento de proteção dos filhos e não nas habilidades e competências dos mesmos. Os pais, na maioria das vezes, quando opinam sobre a profissão, se baseiam no sucesso profissional e principalmente no ganho financeiro da profissão. Por isso, a importância da orientação vocacional ou profissional para aqueles jovens que estão indecisos sobre a sua escolha.

Esse trabalho deve ser realizado com um profissional da área de psicologia que irá orientar o jovem através de entrevistas, dinâmicas de grupo, esclarecimentos, desmistificações e testes psicológicos.
Assim, as ideias clareiam e delineiam de uma forma menos nebulosa na cabeça do jovem, a ansiedade e a insegurança diminuem e o foco passa a ser, então, estudar e se preparar para entrar na faculdade. A orientação vocacional é um investimento feito agora que trará resultados positivos para a trajetória profissional do jovem.

Celso Marangoni é psicólogo formado há 28 anos pela Unesp-Assis, foi coordenador do Programa de Aprendizagem Industrial da Cimento Itaú, acompanhando jovens aprendizes e responsável pela área de treinamento e desenvolvimento de pessoal da mesma empresa. Exerceu ainda coordenação de Recursos Humanos da Prefeitura de Franca. Desde 2000, é diretor da CM Consultoria, onde realiza palestra, treinamentos, desenvolvimento de talentos e consultoria empresarial.

Fonte: Tribuna de Ituverava