VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO (ZEA MAYS) PARA GRÃOS EM PLANTIO DIRETO NO SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO EM RECUPERAÇÃO DE PASTAGENS

Marcos Aurélio Silva Araújo, Marcos Aurélio Lopes, Milton Ghedini Cardoso

Resumo


Objetivou-se avaliar a viabilidade econômica do componente milho em sistema integrado, em plantio direto, para a formação ou recuperação de pastagens, em áreas degradadas de encostas, com solos quimicamente empobrecidos, na região de Piranga-MG. Analisaram-se os resultados médios de dez unidades de experimentação implantadas no ano de 2008, em áreas semelhantes e utilizando a mesma tecnologia. O valor médio da produção do milho não foi suficiente para cobrir o custo operacional efetivo (COE) do sistema (Brachiaria brizantha cv. Marandu + milho), havendo, portanto, margem bruta negativa (R$356,20/ha). No entanto, ao deduzir do COE do sistema (R$1.685,20/ha) o COE exclusivo da pastagem (R$ 1.123,80/ha), que independe da presença ou não do milho, obtém-se o COE exclusivo para milho (R$561,40/ha); e considerando a receita bruta média (R$ 1.329,00/ha), menos o COE do milho (R$561,40/ha), a margem bruta é positiva (R$ 767,60/ha). O sistema demonstra-se viável como método de formação ou renovação de pastagem com baixo COE. Algumas adaptações agronômicas promoverão melhorias para o sistema, em termos quantitativos e qualitativos.

Palavras-chave


análise financeira, integração lavoura-pecuária, preservação ambiental

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3738/21751463.2739