DIFERENÇAS NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS COM ALZHEIMER COM E SEM ESTIMULAÇÃO MULTIPROFISSIONAL EM ASILOS.

Rafaella Orlando Souza

Resumo


O Alzheimer é reconhecido como uma doença neurodegenerativa mais frequente associada à idade. Alguns estudos demonstram que pacientes que tem a presença de estimulações e terapias obtém uma melhora em seus quadros em relação à qualidade de vida. O presente estudo tem por objetivo pesquisar e levantar dados sobre a qualidade de vida de idosos que tem a doença e que estão internados ou passam a maior parte de seu tempo em clínicas que oferecem e que não oferecem estimulações multiprofissionais cognitivas e funcionais a esses pacientes. Quando citamostais estimulações nos referimos a clínicas que oferecem Terapia Ocupacional, Psicólogo, Fisioterapeutas, Fonoaudiólogos dentre outros profissionais que proporcionem uma estimulação mental e física a esses pacientes. Este assunto é de suma importância, pois tais estimulações não são muito conhecidas, e quando são muitas pessoas, por falta de informação, não sabem em que as mesmas podem auxiliar seus entes na doença.


Palavras-chave


Doença; Estudo

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Cecília Puntel de; LIMA, Cristiane Cauduro; LIMA, Maria Alice Dias da Silva. A utilização da observação participante e da entrevista semi-estruturada na pesquisa em enfermagem. Revista Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre, 1999.

AMARO, Ana; PÁVOA, Andreia; MACEDO, Lúcia. A arte de fazer questionários. Universidade do Porto, 2004-2005.

CHACHAMOVICH, Eduardo; FLECK, Marcelo P.A; LOUZADA, Sérgio; PINZON, Vanessa; SANTOS, Lyssandra; VIEIRA, Guilherme; XAVIER, Marta. Revista de Saúde Pública. Volume 34, número 2.USP, FSP. Abril; 2000.

CHAER, Galdino; DINIZ, Rafael Rosa Pereira; RIBEIRO, Elisa Antônia. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Araxá, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. São Paulo, Atlas, 2007.

MINAYO, Maria Cecília de S; SANCHES, Odécio. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro. 1993.

SANTOS, Sílvia R. Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa biomédica. Jornal da Pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria. Copyright, Rio de Janeiro. 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.