USO DE DIFERENTES POPULAÇÕES NA CULTURA DO MILHO PLANTADO EM SEGUNDA SAFRA NA REGIÃO DE MINEIROS, ESTADO DE GOIÁS

ALMEIDA JÚNIOR Joaquim Júlio, FERREIRA Jamil Davi, SMILJANIC Katya Bonfim Ataides, MATOS Francisco Solano Araújo, SIMON Gustavo André, PEROZINI Alexandre Caetano, MIRANDA Beatriz Campos, SILVA Victor Júlio Almeida

Resumo


Na atualidade, várias pesquisas a respeito da densidade de plantio, ou estande, definida como número de plantas por unidade de área, têm confirmado papel importante no rendimento de uma lavoura de milho, uma vez que variações têm influência na produtividade final da cultura. Este trabalho teve por objetivo avaliar a biometria da cultura do milho e sua produtividade final em diferentes populações de plantas por metro. O experimento foi implantado na região de Mineiros, no Estado de Goiás, apresentando coordenadas geográficas aproximadas de 17° 58’ S de latitude e 45°22’ W de longitude e com 845 m de altitude. Foi conduzido no ano agrícola de 2016 e 2017 pelo Núcleo de Estudo e Pesquisa em Fitotecnia que utilizou o híbrido de milho DKB 390 PRO e os tratamentos de 44.444, 88.888, 133.332, 177.776 e 222.222 plantas por hectare respectivamente, com quatro linhas de quatro metros de comprimento por parcelas e área útil de duas linhas centrais com um metro de descarte nas extremidades e espaçamento entre linhas de 45 cm. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com esquema fatorial 5x1 com quatro repetições. Foi avaliada a biometria da planta nos seguintes parâmetros: altura de planta, altura de inserção de primeira espiga, diâmetro do colmo, população de planta por hectare e número de plantas ha-1. A resposta entre a relação população e produtividade no trabalho realizado com a cultura do milho em segunda safra de 2016/2017 mostrou que a produtividade é afetada conforme ocorre o aumento da população de plantas por hectare, sendo que, resultado similar foi obtido com a repetição do trabalho realizado na segunda safra de 2017/2018.

Palavras-chave


Distribuição espacial, Estande, Zea mays.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.3538