PÓS-VERDADES: A INFLUÊNCIA DAS FAKE NEWS NAS REDES SOCIAIS

Laura Gomes Peres, Rodrigo Tavarayama, Rogerio Galdiano Freitas

Resumo


Toda e qualquer notícia falsa deve ser combatida, uma vez que estas podem provocar danos às pessoas, aos partidos políticos e às nações. No entanto, combatê-las não parece algo tão simples o que tem provocado uma série de reflexões e questionamentos sobre as potências consequências das mesmas. Partindo desse princípio, o presente trabalho teve como objetivo discutir as fake news, em específico, as divulgadas em redes sociais, uma vez que elas ganham rapidamente grande repercussão ao serem compartilhadas pelos usuários, viralizando na Internet. Este trabalho traz uma revisão de literatura sobre o tema, onde procurou-se discutir o que é fake news, dark post, bots, deepfake, o contexto da produção e da divulgação das notícias no ciberespaço e o papel dos provedores de conexão, de aplicação e de backbone. As leituras apontaram a necessidade de se manter um firme controle incidente sobre as notícias falsas, pois elas podem colocar em risco a liberdade de expressão, a honra das pessoas e o próprio processo democrático de um país. Foi possível observar, ainda, que para se ter êxito no combate às fake news, além do necessário e obrigatório respeito à liberdade de expressão, haverá de se ter um permanente trabalho de formação de operadores de sistemas de informação, contando com a cooperação e a ética dos usuários e com a localização dos provedores de aplicação, pois quando o provedor, onde a notícia foi publicada, não é brasileiro o combate a fake news é bastante moroso.

Palavras-chave


Internet. Medidas de combate. Sistemas de Informação.

Texto completo:

PDF

Referências


BRIGGS, M. Jornalismo 2.0: como sobreviver e prosperar. 2002. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2018.

D’ANCONA, M. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake News. São Paulo: Faro Editorial, 2018.

DINES, A. O papel do jornal e a profissão de jornalista. São Paulo: Summus, 2009.

FERREIRA, A.BH. O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3 ed. São Paulo: Editora Positivo, 2004. CD-ROM.

FUSCO, C. Este será o seu computador. Exame, São Paulo, n. 7, p. 111-113, 22 abr. 2009.

FUX, L; PELEJA JR., A.V; ALVIM, F.F; SESCONETTO, J.S. Direito Eleitoral. Curitiba: Juruá Editora, 2018.

LEMOS, R. Batalha pela realidade está começando. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.

MUSSKOPF, I. A ciência da detecção de fake news. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina. 2009.

SBARAI, R. Facebook alcança 73 milhões de usuários no Brasil. Revista Veja. 2013. Disponível em: . Acesso em: Acesso em: 3 ago. 2018.

TOMAÉL, M.I; ALCARÁ, A.R; DI CHIARA, I.G. Das Redes Sociais à Inovação. Rev. Ci. Inf., Brasília, v. 34, n. 2, maio/ago. 2011. p. 93-104.

YURKOVA, O. Três casos de fake news que geraram guerras e conflitos ao redor do mundo. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.

WARDLE, C. In First Draft. Fake news. It’s complicated. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. Lei n 12.965, de 23 de Abril de 2014. Dispõe sobre os princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 23 de Abril de 2014. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_ 03/_ ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm>. Acesso em: 26 ago. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.