Controle da antracnose e da mancha angular do feijoeiro comum com indutores de resistência

Geraldo Ferreira Gontijo Neto, Messias José Bastos de Andrade, Edson Ampélio Pozza, Fábio Aurélio Dias Martins, Bruno Lima Soares, Leônidas Leoni Belan, Bruno Ewerton da Silveira Cardillo

Resumo


Avaliou-se a influência de indutores de resistência no controle de doenças do feijoeiro. Avaliou duas doses de silicato de cálcio combinadas com silicato de potássio, acibenzolar-S-metil (ASM), ortofosfato, fosfito de manganês, sulfato de manganês, fungicida e água, sobre a severidade, incidência da antracnose e desenvolvimento dos feijoeiros. O segundo experimento avaliou o efeito de seis tratamentos foliares (cinco indutores de resistência e água) com e sem fungicidas sobre o controle de antracnose, mancha angular e rendimento. Moléculas indutoras de resistência influenciaram a incidência e a severidade da antracnose. Plantas tratadas com ASM, ortofosfato, sulfato de manganês e fosfito de manganês apresentaram redução de 10,3% na área abaixo da curva de progressão da severidade, em relação à testemunha. Não houve efeito da suplementação de silicato de cálcio sobre o controle da antracnose e desenvolvimento das plantas. Plantas pulverizadas com ortofosfato e extrato de casca de café apresentaram valores de área abaixo da curva de progressão da incidência da antracnose menores que a testemunha. Não houve influência dos indutores de resistência sobre a severidade da antracnose e a mancha angular. O uso de indutores, quando combinado a fungicidas, não proporcionou efeito adicional no controle de doenças e na produtividade do feijoeiro.

Palavras-chave


Fitopatologia; Feijoeiro, Indução de resistência

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.1635