O PAPEL DO GENE MDR-1 E A GLICOPROTEÍNA-P NA INTOXICAÇÃO POR IVERMECTINA EM CÃES - REVISÃO

Letícia Fornel Mangolin, Nalva de Fátima Ferreira, Amália Genete dos Santos, Maria Margareth Theodoro Caminhas

Resumo


A classe das avermectinas são muito utilizadas na medicina veterinária como antiparasitários, sendo a ivermectina um dos medicamentos representantes. A ivermectina possui alta solubilidade, o que contribui para que seja distribuída pelo organismo dos animais com maior facilidade. O gene MDR1 (ABCB1), é conhecido como o gene relacionado à multirresistência às drogas, sendo responsável pela expressão da glicoproteína-P (P-gP), que é encontrada em diversos tipos celulares, sendo importante nas barreiras naturais. Quando há alterações no gene há falha na expressão da P-gP, o que permite com que haja o aumento da absorção de fármacos, levando à intoxicação em animais. O objetivou-se do presente trabalho analisar a prevalência dos alelos para a mutação do gene em diferentes raças e localizações. Como a ivermectina permanece no organismo por um grande período, principalmente no fígado, músculo e gordura, torna-se um problema para os portadores dos alelos. Portanto, é essencial a responsabilidade quanto a prescrição desse medicamento à cães, uma vez que o número de intoxicações causadas pelo uso desse antiparasitário é representativo. Também é importante a intervenção para a reprodução racional da espécie.

Palavras-chave


avermectina; canina; gene MDR1; glicoproteína-P; toxicidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/21751463.3780