AS CONSEQUÊNCIAS BIOPSICOSSOCIAIS DO ABUSO SEXUAL: ESTUDO DE CASO DE UMA JOVEM ADULTA

Camila Campos Fernandes, Irma Helena Ferreira Benate Bomfim

Resumo


As denúncias e notificações de casos de abusos sexuais no Brasil são cada vez mais frequentes, fazendo-se necessário um maior número de profissionais da área de Psicologia para atender as demandas relacionadas a essa população. As consequências resultantes dessas experiências podem ser traumáticas, afetando em diversos aspectos do desenvolvimento cognitivo, emocional e relacional das vítimas desta violência. O presente estudo, de caráter metodológico qualitativo, será feito por meio de entrevista semiestruturada e aplicação do teste TAT (Teste de Apercepção Temática), tendo como participante uma mulher, com idade entre 18 e 25 anos que tenha sofrido abuso sexual, escolhida através do método Snowball. Esta pesquisa visa conhecer e refletir à luz da psicanálise e autores que versem sobre o tema e as principais consequências biopsicossociais que o abuso sexual pode trazer para a vida de uma jovem adulta.


Palavras-chave


Vítimas. Psicanálise. Violência

Texto completo:

PDF

Referências


BOMFIM, Irma Helena Ferreira Benate. Narrativas Maternas: um estudo transcultural com mães brasileiras e francesas. 2014, 338 f. Tese em Psicologia. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, Ribeirão Preto, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012.

CERQUEIRA, D.; COELHO, D.; LIMA, R.; BUENO, S.; NEME, C.; FERREIRA, H.; ALVES, P.; PINHEIRO, M.; ASTOLFI, R.; MARQUES, D.; REIS, M.; MERIAN, F. Atlas da violência 2018. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossies/fontes-e-pesquisas/wp-content/uploads/sites/3/2018/06/IPEA_FBSP_AtlasdaViolencia2018Relatorio.pdf . Acesso em: 08 de agosto de 2018.

CERQUEIRA, Daniel, COELHO, Danilo S. C. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde. Brasília, 2014.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativo e misto. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. Ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 14 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

MONTEIRO, Regina Clare. Pesquisa qualitativa como opção metodológica. Pro-Posições, n. 5. Campinas, 1991. Disponível em: file:///C:/Users/camil/Downloads/8644453-17490-1-SM.pdf . Acesso em: 04 de maio de 2018.

MURRAY, Henry A. (2005). Teste de Apercepção Temática: Henry A. Murray e colaboradores da Clínica Psicológica de Harvard (adaptação e padronização brasileira: Maria Cecília Vilhena da Silva), 3ª ed. São Paulo: Casa do Psicólogo. (Originalmente publicado em 1943).

Organización mundial de la salud. Informe mundial sobre la violência y la salud. 2003. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/112670/9275315884_spa.pdf?sequence=1. Acesso em: 07 de maio de 2018.

VELOSO, Milene Maria Xavier et al . Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 18, n. 5, p. 1263-1272, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000500011&script=sci_abstract&tlng=es . Acesso em: 08 de agosto de 2018.

VENTURI, Gustavo. Precisamos falar com os homens?. USP, 2016. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossies/violencia/pesquisa/precisamos-falar-com-os-homens-onu-mulheres-papo-de-homem-2016/ . Acesso em: 08 de agosto de 2018.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Campinas: Revista Temáticas, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.