DECOMPOSIÇÃO E TEOR DE MACRONUTRIENTES DA PALHADA EM FUNÇÃO DO MANEJO DO SOLO E ROTAÇÃO DE CULTURAS EM ÁREAS DE REFORMA DE CANAVIAL

Gustavo Pavan Mateus, Humberto Sampaio Araújo, Carlos Alexandre Costa Crusciol, Wander Luis Barbosa Borges

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido no Polo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Extremo Oeste, em Andradina, SP, com o objetivo de avaliar a decomposição e o teor de macronutrientes na palhada de cana-de-açúcar em função da sucessão de culturas combinado com diferentes sistemas de manejo do solo. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, em esquema de parcelas sub-subdivididas, com 4 repetições. As parcelas foram constituídas por dois manejos do solo (cultivo mínimo e plantio direto) e as subparcelas por quatro culturas comerciais (amendoim, milho, soja e sorgo sacarino) e um uma opção de adubos verdes (Crotalaria juncea + Dolichos lablab) e as sub-subparcelas foram as épocas de coleta da massa seca da palhada da cana feita aos 0, 30, 60, 90 e 120 dias após o plantio das culturas de rotação. A quantidade de matéria seca de palhada de reduziu ao longo período de coleta, diferindo entre o cultivo mínimo e o plantio direto. Houve efeito da interação dos fatores manejo dos solos e culturas e do manejo do solo e tempo, sendo que neste último todos os macronutrientes foram influenciados e no fator manejo do solo e culturas houve efeito somente para o Ca. O acúmulo de nutrientes na palhada da cana-de-açúcar independe da cultura de rotação, mas é dependente do manejo do solo adotado e reduz ao longo do tempo.

Palavras-chave


Cultivo conservacionista, palhada de cana, teor de nutrientes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3738/1982.2278.2824

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários