Pais órfãos: e eu com isso?

Diogo Augusto de Melo Avelar, Lara Luiza Liporone Sá, Giovana Estela Vaz dos Santos

Resumo


O presente trabalho de iniciação científica teve por intento apontar casos e dados de abandono afetivo inverso. Destarte, os casos inversos, isto é, de filhos que abandonam seus genitores vêm aumentando absurdamente. Desse modo, a partir dos dados coletados por meio de pesquisas online e investigação acerca da legislação que protege o idoso/genitor, demonstra-se potenciais consequências legais para aqueles que cometem tais tipos de crueldades.


Palavras-chave


Abandono; Afetividade; Inverso; Legislação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALFANDÉRY, Hélène Gratiot. Henri Wallon. Tradução e Organização de Patrícia Junqueira. Recife: Massangana, 2010.

BAUMAN, Zygmund. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 35. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

BRASIL. LEI NO 2.848, DE 07 DE SETEMBRO DE 1940 DE 2002. Dispõe sobre o Código Penal. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del2848.htm. Acesso em set. 2018.

BRASIL. LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002. Dispõe sobre o Código Civil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10406.htm. Acesso em set. 2018.

BRASIL. LEI NO 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2002. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.741.htm. Acesso em set. 2018.

CANCIAN, Natália. Registro de abandono e violência contra idosos crescem 16,4% no país. Folha de São Paulo, São Paulo: 2015.

CAVICCHIOLLI, Vicente Vilardaga. O Abandono dos idosos no Brasil. Isto é, São Paulo: 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.