A ABORDAGEM DA SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA NO ENSINO DE ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS DO ENSINO MÉDIO

Rodrigo Marquiori Vasconsellos, Osmar Santos Junior

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar a construção do conhecimento dos alunos do terceiro ano do Ensino Médio, acerca da Classificação Filogenética de Tetrápodes, por meio das aulas ministradas no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) de Biologia, em 2017. Atualmente, o estudo da Classificação Biológica dos Seres Vivos é realizado por meio da Sistemática Filogenética, e, a partir disso, esse método objetivo tende a organizar o conhecimento da evolução das características morfológicas, ecológicas e moleculares dos grupos, a partir das reconstruções históricas de parentesco entre os seres, que busca a origem única dos mesmos ao estabelecer conceitos, como os grupos monofiléticos, na definição dos agrupamentos taxonômicos. Desse modo, ao se analisar os conhecimentos prévios dos alunos em Zoologia através do questionário “pré-teste”, e, posteriormente, a aplicação do método filogenético nas aulas, conciliado ao uso de recursos tecnológicos audiovisuais, além do exame de alguns vertebrados fixados em formalina 10% e conservados em etanol 70%, os resultados indicaram que houve um aumento significativo no número de acertos no questionário “pós-teste”, aplicado após a realização das atividades pedagógicas. Portanto, conclui-se que o enfoque na Sistemática Filogenética e, especialmente, a utilização de recursos audiovisuais, contribuíram para o aumento do conhecimento adquirido dos alunos em Zoologia.

Palavras-chave


PIBID - Classificação Biológica - Aula - Educação básica

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Parte III - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, 2000

BRASIL. Ministério da Educação. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, 2002.

EUGÊNIO, T.J.B. Utilização de uma ferramenta multimídia para identificação de artrópodes: avaliação de estudantes do ensino fundamental. Ciência & Educação, v. 18, n. 3, p. 543-557, 2012.

GUIMARÃES, M.A. Cladogramas e Evolução no Ensino de Biologia. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação Para a Ciência) - Universidade Estadual Paulista - Unesp Faculdade de Ciências, Bauru, SP, 2005.

HICKMAN, C. P.; ROBERTS, L. S.; KEEN, S. L.; EISENHOUR, D. J.; LARSON, A.; L’ANSON, H. Princípios Integrados de Zoologia. 16. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

MATIOLI, S. R. (Ed.). Biologia molecular e evolução. Holos Editora, Ribeirão Preto, 2001.

MAYR, E. Biologia, Ciência Única. São Paulo: Companhia das Letras, 271 p. 2005.

RICHTER, E.; LENZ, G.; HERMEL, E. E. S.; GÜLLICH, R. I. C. Ensino de zoologia: concepções e metodologias na prática docente. Ensino e Pesquisa, Cerro Largo, v. 15, n. 1, p.27-48, maio 2017.

RIDLEY, M. Evolução. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 752 p. 2006.

SANTOS, T. S.; LANDIM, M. F. RECURSOS AUDIOVISUAIS E COLEÇÕES ZOOLÓGICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CONTEXTO DO PIBID. Open Journal System, Santos, v. 8, n. 1, p.30-45, dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

SELLES, S. E., FERREIRA, M. S. Disciplina Escolar Biologia: entre a retórica unificadora e as questões sociais. In: MARANDINO, M.; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. A.; MORIM, A. C. (Org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Eduff, 2005.

TEODORO, N. M. Metodologia de ensino: Uma contribuição para o processo de aprendizagem da diferenciação. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2018.

WILEY, E. O., LIEBERMAN, B. S. Phylogenetics: Theory and Practice of phylogenetic systematics, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.