QUALIDADE DE LARANJA “VALÊNCIA” DURANTE ARMAZENAMENTO EM DIFERENTES TEMPERATURAS

Rodrigo Palhares Queiroz, Maria Amalia Brunini, Luís Otávio de Lacerda Meloni, Pamela dos Reis Caetano, Rodrigo Felipe Guarnieri Queiroz

Resumo


As laranjas se destacam por serem indicadas tanto para consumo in natura como para as agroindústrias, entretanto, devido seu padrão respiratório, precisam ser colhidas no estádio completo de maturação e manuseadas adequadamente na fase pós-colheita. O objetivo deste trabalho foi o de avaliar alguns atributos de qualidade em laranjas “Valência”, higienizadas ou não com solução de hipoclorito de sódio a 0,01%, durante armazenamento a 20±1°C com 76 – 85% UR., à 12±1°C, com 90-95% UR e à temperatura ambiente (25-28oC, com 43,8 a 62,5UR) e à 12±1°C, com 90-95% UR. O parâmetros avaliados foram, acidez titulável, pH, sólidos solúveis e índice de maturação. Considerando os resultados obtidos, pode-se concluir que uso de higienização proporcionou  aumento da vida útil,  principalmente quando associado a baixa temperatura de armazenamento, os teores de acidez, sólidos solúveis e pH foram influenciados pelos tratamentos, temperatura e tempo de armazenamento. No geral, pode-se concluir que a temperatura de 12±1°C, associada a higienização, foi a melhor para a manutenção da qualidade físico-química da laranja “Valência”.


Palavras-chave


Citrus simenses L. Acidez. Sólidos solúveis. pH.

Texto completo:

PDF

Referências


AOAC- ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALY. TICAL CHEMISTS. Official methods of analysis. 16 ed. 3rd Edited by Patricia Cunniff. cap. 37, 1997.

BRUNINI, M.A; SAMECIMA JUNIOR, E. H.; OLIVEIRA, C.A de. Qualidade de laranja Hamlin durante armazenamento em diferentes temperaturas. Nucleus, Ituverava, v.10, n.2, p.307-32, out. 2013.

BRUNINI, M. A; CARDOSO, S. S. Qualidade de pitaias de polpa branca armazenadas em diferentes temperaturas. Revista Caatinga, Mossoró, v.24, n.3, p.78-84, jul.-set. 2011.

BRUNINI, M.A.; COELHO, C.V. de. Influência de embalagens em jabuticabas ‘sabará’. Nucleus, Ituverava, v.3, n.1, p.51-55, 2005.

CEAGESP-COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZENS GERAIS DE SÃO PAULO. Normas de Classificação de Citros de Mesa/CEAGESP. Programa Brasileiro para a Modernização de Horticultura. São Paulo: CEAGESP, 2011. 12.p (online).

CHITARRA,M.I; CHITARRA, A.B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2.ed. ver. ampl. Lavras: UFLA, 2005.785p.

COHEN, E. The use of temperature for postharvest decay control in citrus fruit. In: BIOLOGICAL CONTROL OF POSTHARVEST DISEASES OF FRUIT AND VEGETABLES WORKSHOP, 1990. Shepherdstow. Proceding… Shepherdstow, 1990. p. 256-257.

DAMODARAN, S.; PARKIN, K.L.; FENNEMA, O.R. Química de alimentos de Fennema . 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 900p.

IAL- INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analítica: método químico e físico para análise de alimentos. 4. Ed. São Paulo:IAL, 2008. v.1, 1000p. (on line)

JERONIMO, E. M; BRUNINI, M.A.; ARRUDA, M. C.de; CRUZ, J.C.S.; FISCHER, I.H; GAVA, G.I. de C. Conservação pós-colheita de manga: “Tommy-Atkins”, armazenados sob atmosfera modificada. Semina. Ciências Agrárias, Londrina, v.2, n.3, p-417-26, 2007.

KOBLITZ, M.G. B . Matérias-primas alimentícias: composição e controle de qualidade. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 301p.

PIMENTEL, R. M. de A.; GUIMARÃES, F. N.; SANTOS, V. M. dos; RESENDE, J.C. F. Qualidade pós-colheita dos genótipos de banana PA42-44 e prata-anã cultivados no norte de Minas Gerais. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, v. 32, n. 2, p.407-413, Junho 2010

RIBEIRO, C. T.; BRUNINI, M. A.; SILVA, F. P. Qualidade de polpa de goiaba, manga e de suco de caju, laranja e uva congelados e armazenados a -18ºC. Nucleus, Ituverava, v. 7, n. 1, p. 285-294, 2010.

SILVA, J.A.A. da; STUCHI, E.S.; SEMPIONATO, O.R. Efeitos de doses de ácido giberélico na produção e qualidade de laranjas natal. Laranja, Cordeirópolis, v. 27, n.1, p.71-82, 2006.

TODISCO, K. M.; CLEMENTE, E.; ROSA, C. I. L. F. Conservação e qualidade pós-colheita de laranjas “Folha Murcha” armazenadas em duas temperaturas. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, Maringá, v. 5, n. 3, p. 579-591, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.